Aliança Norbertina

25/03/08

Montes Claros

O primeiro premonstratense da abadia de Park (Bélgica), enviado para o Brasil, foi Hugo Fesingher. Viajando junto com o segundo grupo de confrades da abadia de Averbode, ele embarcou em Antuérpia, aos 4 de maio de 1897 com destino a Harwich (Inglaterra). Um segundo barco chamado ‘La Plata’ saiu de Southampton e levou os confrades para o Brasil. Desembarcaram no porto de Santos no dia 31 de março de 1897. No começo, o Pe. Hugo ficou em Pirapora, para aprender a língua e os costumes.

O bispo de Mariana foi informado sobre a chegada dos missionários de Averbode em Pirapora e escreveu ao superior deles, o Pe. Vincente Van Tongel, para pedir a fundação dum convento premonstratense na sua diocese. Aos 12 de abril de 1898, o Pe. Hugo Fesingher deixou Pirapora, para conversar com o bispo de Mariana, em vista à preparação duma nova missão premonstratense.

O abade de Parc, Dom Quirino Nols, quis acompanhar a nova fundação, Aos 6 de junho daquele ano, chegou ao Brasil, junto com os cônegos Alderico De Pauw e Carlos Vincart. No encontro com o bispo de Mariana, lhes foi confiada a paróquia de Congonhas do Campo. O Pe. Hugo foi nomeado pároco, com a ajuda de seus confrades.

O Pe. Vincart acompanhava o bispo durante as suas visitas pastorais; assim pôde conhecer boa parte da região, inclusive a cidade de Sete Lagoas, que era a parada final da estrada de ferro Central do Brasil.

Para essa cidade, os padres Hugo e Carlos projetaram um colégio, que foi inaugurado aos 15 de outubro de 1900. Os padres Hugo, Carlos e José Boelaerts ficaram responsáveis pela paróquia, enquanto o prior Alderico De Pauw e o Pe. Tiago Rosier permaneceram em Congonhas.

Porém, o colégio formado pelos premonstratenses na cidade de Sete Lagoas não dava satisfação. Decidiu-se tentar uma fundação no sul do Brasil, onde o clima é mais temperado, e um colégio poderia alcançar maior sucesso do que em Sete Lagoas. Com a licença do superior, os padres Moureau e Vincart partiram para o Estado do Paraná. Ali, eles não encontraram as necessárias garantias para a fundação de um colégio.

Decidiu-se então dar uma resposta favorável aos pedidos repetidos do bispo auxiliar de Diamantina, dom Joaquim Silverio de Souza. Para encontrar na sua fazenda o bispo dom João Antonio dos Santos, os padres Carlos Vincart e Francisco Moureau viajaram mais de 500 quilômetros a cavalo. No dia 17 de julho de 1903, aconteceu o encontro. Cego, mas ainda vigoroso, apesar de seus 83 anos de idade, o bispo lhes propôs várias grandes paróquias, como: Paracatú, Salinas e Montes Claros. Ouvindo a preferência para Montes Claros, o bispo nomeou pároco ao Pe. Vincart, e vigário ao Pe. Francisco Moureau. No entanto, os padres Fesingher e Boelaerts continuaram em Sete Lagoas.

Foi da cidade de Sete Lagoas, que os dois primeiros missionários, o Pe. Carlos Vincart e o Pe. Francisco Paulo Moureau iniciaram, no dia 9 de julho 1903, sua longa viagem a cavalo para Montes Claros. Chegaram alí aos 27 de julho de 1903.

O novo campo de apostolado, aberto ao zelo dos primeiros filhos de São Norberto no Sertão, não tinha menos de 26 léguas de comprimento por doze de largura. (Para compreender isso: nove léguas separam Bocaiúva de Montes Claros, ou seja 50 quilômetros). Os meios de comunicação eram primitivos: cavalgar por péssimos caminhos, abertos pelos cascos das montarias, transpondo rios e córregos sem pontes, atravessando serras e montanhas em veredas que mais pareciam caminho de cabras do que estrada de homens.

Em Montes Claros, além do trabalho pastoral na sede e na zona rural, o Pe. Carlos fez, com a ajuda do Padre Chico, Padre Bento e Padre Maurício, uma revolução social.

1° Promoveu a vinda de D. Joaquim Silvério de Souza, em maio 1904, que resultou na fundação da Confraria do Sagrado Coração e do Apostolado da Oração e da Conferência de São Vicente de Paulo. 2° Fundou uma biblioteca; o Colégio São Norberto; o Grêmio Literário Mont’Alverne; e o Clube de amadores teatrais, São Genesco. 3° Introduziu o futebol em 1905. 4° Criou em 1907 “A Verdade”, jornal valente que viveu até 1917. 5° Fundou o Colégio Imaculada Conceição para moças. Pe. Francisco Moureau procurou a colaboração de religiosas para a direção do colégio e da Santa Casa. No fim de abril de 1907, ele regressou para o Brasil com dois novos padres de Park e 4 irmãs da Congregação do Sagrado Coração de Maria de Berlaar.6° O Pe. Carlos instalou um observatório de Meteorologia. 7° Instalou um pequeno museu de História Natural. 8° Liderou o movimento para criação da diocese de Montes Claros. 9° Por fim, sua casa era aberta ao povo.

Naquele tempo a cidade de Montes Claros tinha entre 6.000 a 7.000 habitantes. Fora da matriz, havia 3 capelas: a do Rosário, a da Santa Casa e a do Bom Jesus dos Passos. Fora da cidade, o pároco visitava 12 capelas e 7 paróquias vizinhas (entre as quais: Romão, Capão Redondo, Jequitaí e Pirapora).

Os padres percorreram as comunidades rurais, sempre em lombos de burros e cavalos, tarefa árdua e penosa, apesar de ser gratificante pelo carinho dispensado em meio ao povo campesino. Atravessavam toda a região, até às margens do rio São Francisco, visitando as capelas e asistindo os enfermos. O Pe. Maurício fala de 99 viagens, cavalgando uns 8.000 quilômetros. A pedido do bispo de Uberaba, o Pe. Gaspar visitou São Romão e Formosa (no estado de Goiás).

Ao passar por Diamantina, sede do bispado, no dia 6 de maio de 1907, o Pe. Francisco foi nomeado vigário da paróquia do Bonfim de Bocaiúva, por Dom Joaquim Silvério de Souza.1

Em 1911, Montes Claros se tornou sede de Diocese. Dom João Antônio Pimenta é seu primeiro bispo,

Na sua carta pastoral de saudação, em 1911, Dom João Pimenta escreveu: “Permiti que distingamos com uma saudação particular aos Padres Premonstratenses, em boa hora colocados e, por inspiração divina, na cidade destinada a ser a sede desta nova circunscrição eclesiástica. A supereminência dos méritos desses virtuosos sacerdotes (...), os relevantes serviços prestados a toda essa região com a fundação de dois colégios, o concurso inteligente, enérgico e eficaz que prestaram ao bispo de Diamantina para a realização da fecunda idéia da criação dessa nova diocese, o zelo infatigável e apostólico com que têm cumprido os deveres do munus paroquial, a difusão da boa doutrina por uma folha periódica de sua propriedade e redação, todos esses títulos de benemerência deram-lhes direitos, e muito principalmente ao R.S. Cônego Carlos Vincart a um lugar de honra nesta nossa primeira carta pastoral”.

No mês de março de 1947, o Padre Huberto Murta, fundou em Montes Claros a Escola Apostólica São Norberto (‘Seminário Premonstratense’) que dirigiu por longos anos

Em 1920, houve uma visita canônica pelo vice-prior de Parc. Por ela o abade Quirino Nols quis promover uma concentração dos confrades em Montes Claros, para formar um convento de vida regular. A grande dispersão dos confrades era o resultado do objetivo segredo do bispo de Diamantina, porque em 1903, houve na sua diocese 48 paróquias sem pároco. No entanto os padres adaptaram-se à situação, deixando de lado a propria forma de vida. Porém, a partir de 1920, vai ter várias tentativas para restaurar a forma de vida regular. Pouco a pouco deram-se passos para chegar à forma plena da nossa vida canonical, inspirada pela vida da Igreja primitiva de Jerusalém: anunciando a Ressurreição, louvando a Deus, celebrando a Eucaristia, vivendo unidos pela caridade, compartillando tudo.

Em 2002, a comunidade de Montes Claros tornou-se priorado independente. Os seus juniores estudam em Belo Horizonte e permanecem na casa de Contagem.Com gratidão lembramos do trabalho generoso de tantos irmãos que, guiados por Dom José Alves Trindade e depois por Dom Geraldo Majela de Castro (premonstratense de Montes Claros), foram capaces de “absorver uma eclesiologia nascida do Concílio Vaticano II, possibilitando a emergência de uma Igreja popular com uma forte presença e preocupação com os mais pobres.”

Lembramos especialmente do Padre Herman-José Durval Ferreira de Morais que foi durante quase 40 anos pároco da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição e São José de Montes Claros, e do Pe. João Batista de Souza Lopes, pároco da paróquia de São Norberto, desde 1982.

Sobre a comunidade

Álbum
17/04/13 Primeira profissão Religiosa dos Premonstratenses: Fr. Diego e Fr. Fábio
14/04/13 Semana Santa e Páscoa no Priorado de Montes Claros
17/02/12 Vestição do Noviço Eduardo
04/02/12 Profissão Simples de Erlândio Alves
26/07/11 Ordenação diaconal no Priorado de Montes Claros
24/07/11 Ministérios no Priorado de Montes Claros
25/06/11 Retiro do Priorado de Montes Claros
22/01/11 Renovação dos votos no Priorado de Montes Claros
17/01/11 Capítulo do Priorado de Montes Claros realizado no dia 31 de janeiro e 1º de fevereiro
13/01/11 Votos solenes no Priorado de Montes Claros
09/01/11 Visita Canônica no Priorado de Montes Claros
03/01/11 Dois postulantes receberam o hábito no Priorado de Montes Claros
17/10/10 Eucaristia da Festa dos Corações Norbertinos
10/07/10 Momentos do Capítulo e Retiro da Canonia de Montes Claros - MG
07/06/10 Celebrando São Norberto em Contagem - Belo Horizonte (MG)
31/05/10 Celebrando São Norberto no Priorado Nsa. Sra. Aparecida e S. Norberto - Montes Claros (MG)
28/03/10 Parabéns a você Pe. Andrés!
16/03/10 Semana Santa em Contagem (MG)
04/02/10 Fotos da Profissão Solene dos irmãos Militão e Flávio
19/07/09 Temperamentos franciscanos?
08/06/08 Ordenação Sacerdotal de Côn. Aguiar
07/05/08 Thalita Kum
08/04/08 Profissão solene do irmão Alessandro
17/02/08 Eleição do Prior de Regimine, em Montes Claros
13/02/08 Ordenação diaconal do Fr. Andrés González Muñoz (01.02.08)
15/09/07 Profissão solene do Fr. Andrés Muñoz González
23/12/06 Uma Singular Coincidência entre a Verdade e a Beleza
19/12/06 8 de dezembro 2006: dedicação da igreja do Priorado
05/12/06 Construção da igreja do Priorado de Montes Claros
17/09/06 Primeira Profissão no dia 28.08.06
17/09/06 Renovação da profissão no dia 28.08.06
 
valider